Jorge Salomão é veterinário de (SP) e viajou 1,6 mil km até Poconé (MT). Ali se juntou a uma equipe de voluntários que trabalham incansavelmente para resgatar, salvar e cuidar os animais que sofrem com as queimadas.

As cenas são impactantes e de muita destruição, algo que jamais sairá da lembrança de Jorge Salomão. Ele é um veterinário de Jundiaí (SP) e viajou cerca de 1.6 mil km para chegar em Poconé (MT) e se juntar à equipe de voluntários no resgate dos vários animais fortemente afetados pelos incêndios nas florestas do Pantanal brasileiro.

Diante do fogo e fumaça das queimadas, ele e um grupo de veterinários e biólogos, circulam pelas áreas devastadas pelo fogo buscando animais que sobreviveram.

1 1 7 - Veterinário descreve o árduo trabalho de mais de 12h para resgatar animais no Pantanal: “Ainda não é suficiente”
Veterinário de Jundiaí (SP) ajuda no resgate de animais vítimas das queimadas no Pantanal — Foto: Arquivo pessoal

“Começamos todo dia de manhã e paramos somente à noite. Estou nessa rotina há mais de 20 dias e não pretendo parar tão cedo”, disse.

2 8 - Veterinário descreve o árduo trabalho de mais de 12h para resgatar animais no Pantanal: “Ainda não é suficiente”
Onça-pintada foi resgatada no Parque Estadual Encontro das Águas, no Pantanal, na última sexta-feira (11) — Foto: Ministério da Defesa/via BBC

Jorge há pelo menos 15 anos tem trabalhado com animais silvestres, principalmente, a onça-pintada, que corre o risco de extinção, este animal é considerado o maior felino das Américas, e hoje luta para sobreviver entre as chamas que destroem o nosso Pantanal.

Ele relatou que no último domingo (13), realizaram várias buscas pelo Parque Estadual Encontro das Águas, e chegaram a ver uma onça conhecida como Ousado, onça pintada que é conhecida na região por chegar bem perto dos barcos.

A onça estava caída no chão e sofrendo as dores de ter suas patas queimadas. Assim, o animal ficou muito agressivo ao ver os humanos, sendo que os veterinários tiveram que anestesiar a onça para cuidar dos seus ferimentos. Logo em seguida tiveram que a levar de helicóptero até um hospital veterinário.

“É um cenário devastador. Acho que é uma cena que eu jamais vou esquecer. Isso jamais vai sair da minha cabeça. Estamos encontrando muitos animais desidratados e com fome”, contou.

3 - Veterinário descreve o árduo trabalho de mais de 12h para resgatar animais no Pantanal: “Ainda não é suficiente”
Voluntários do interior de SP enfrentam fogo e fumaça para resgatar animais feridos nas queimadas do Pantanal — Foto: Arquivo pessoal

Ação Voluntária

Jorge ainda diz que: a rotina é muito árdua, e os voluntários ficam o dia todo vasculhando as áreas atingidas buscando animais sobreviventes. Enfrentamos o forte calor e a fumaça imensa para levar ajuda aos animais que não têm para onde escapar.

4 - Veterinário descreve o árduo trabalho de mais de 12h para resgatar animais no Pantanal: “Ainda não é suficiente”
Cristina Harumi, coordenadora da Associação Mata Ciliar em Jundiaí (SP) — Foto: Arquivo pessoal

Fora os regates, também estamos montando cochos de água em certos locais para que esses animais possam se hidratar e deixamos comida também. Nessa situação, eles não têm para onde ir, não têm o que comer e nem água para beber”, afirmou.

“Nós recebemos muita ajuda de apoiadores e pessoas que estão sensibilizadas com essa causa. Das autoridades, não recebemos nada”, explica.

incendio pantanal 1 - Veterinário descreve o árduo trabalho de mais de 12h para resgatar animais no Pantanal: “Ainda não é suficiente”
Onça com as patas queimadas recebe cuidados de uma equipe de veterinários — Foto: Arquivo pessoal

 

Com informações: Portal G1

 

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS