Por: JCS

Conforme apuração do consórcio de veículos de imprensa, que se baseia diariamente nos números fornecidos pelas secretarias estaduais de saúde dos estados brasileiros, foi confirmado nesta quarta-feira (18) um aumento assustador nos níveis de óbitos e novas infecções.

Em comparação com os últimos 14 dias, a média móvel de mortes aumentou em 45% e a de novos casos de infecção 71%. As apurações feitas no dia 18 confirmaram um total de 166.847 óbitos e 5.912.903 pessoas diagnosticadas com a covid-19. Pelas comparações o nível de novos casos é assustador e alarmante, ou seja, o coronavírus não para e não se cansa.

Veja as apurações em números até as 13 h da quarta-feira (18):

Óbitos: 166.847 mortes confirmadas
Infecções: 5.912.903 casos confirmados

O coordenador científico da Sociedade Brasileira de Infectologia, Sérgio Cimerman, atribui o aumento significativo dos casos de covid-19 à “balbúrdia que se acometeu no feriado” 

A situação é grave; “As pessoas estão achando que a Covid-19 acabou. Muito pelo contrário: ela está aí. Não saímos da primeira onda. A gente chegou num platô, começou a cair o número de casos, e a gente volta a subir, caracterizando ainda essa primeira onda, decorrente sim da balbúrdia que se acometeu no feriado. É a média de 10, 14 dias para começar a ter esse boom de procura por exames laboratoriais para a Covid-19 e de internações”, disse Cimerman.

No início da pandemia em março, praticamente todas as pessoas ficaram confinadas em casa, funcionando apenas os serviços essenciais, assim todos tomavam os cuidados necessários para não se contaminarem e quase não existiam aglomerações. Os níveis de infecções estavam altos, porém havia um controle de circulação de pessoas. Hoje, mesmo sem ter vacina ou qualquer remédio eficiente para combater a Covid-19, quase todos subestimaram a pandemia e resolveram decretar o “ fim do isolamento por conta própria” conforme palavras do Dr. Drauzio Varella.

Haja visto o funcionamento de bares, restaurantes, igrejas, sindicatos, academias, shoppings Centers, cabeleireiros, é comum andar pelos bairros e ver pessoas reunidas nos bares sem máscaras. Dessa maneira não há como ganhar do vírus, cada vez mais as pessoas serão contaminadas.

Então, toda vez que você sai sem máscara, você precisa ter a certeza que você está correndo o risco de levar o vírus para dentro da sua casa e infectar as pessoas mais velhas e os vulneráveis, e você está colaborando pra nós continuarmos com esse grande número de casos e empurrando essa epidemia pra durar sabe lá quanto tempo.

Não é uma visão pessimista, não. É uma visão realista !

Com informações: Portal G1 e Sensívelmente

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS