Por: José Carlos Santos

Eu me lembro bem quando minha mãe disse: Um dia minha filha você vai me entender! hoje eu entendo esse amor inexplicável, tão grande, más tão grande que parece que o nosso peito vai explodir, quase dói né?

Eu entendo que nós vamos várias vezes ao quarto do nosso filho, para ver se ele está respirando ali enquanto dorme, e mesmo depois de uma noite mal dormida, ou às vezes não dormida, no dia seguinte a gente é capaz de trabalhar e aguentar o dia, mesmo se sentindo um zumbí, porque o filho acordou “sorrindo” .

Aliás, o sorriso do filho é tudo né? A gente só quer que eles sejam felizes, simples assim. Quando ficam doentes queríamos que fosse “conosco”, tentamos protegê-los de tudo, do mundo.
Eles não vieram ao mundo com “Bula” e nem tem manual para as mães de primeira viagem, é só errando que se aprende e a melhor educação que podemos dar é o exemplo, e, é só deixando que eles enfrentem as frustrações que eles vão crescer, aliás, eles crescem rápido, rápido demais, de repente a gente vira um “mico”, ai que “mico” mãe!

Eles querem distância, eles querem “voar”! e não é pra isso que agente cria? Para o mundo? Olha, para a gente eles sempre vão ser os nossos bebês, mas um dia eles vão nos entender, e como dizia a minha mãe: Dia da mãe é todo dia.

Más como é bom aquele olhar, aquele beijo, um abraço, um bilhetinho que seja num dia só nosso né? Então parabéns para todas nós nesta data e em todos os outros dias do ano.

Veja ao vídeo na íntegra:


OUTRAS LEITURAS


Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS