Por: JCS

É de conhecimento de todos que Silvio Santos pode ser considerado como o maior apresentador do Brasil e claro, um dos empresários mais bem-sucedidos, contudo, pouquíssimas pessoas têm acesso à intimidade dele e sua vida familiar, mesmo sabendo que ele entra em nossas casas todos os domingos através de seus programas dominicais. Ali no palco ele esbanja seu talento, simplicidade, simpatia e carisma com sua marca registrada que é sua contagiante risada.

Há um mistério que ronda o “Patrão” e “Homem do baú”, isto acontece por que ele não gosta de entrevistas e prefere viver a vida na simplicidade de sua casa com seus familiares. Provavelmente, seja esta a razão que uma carta escrita por ele mesmo, com grande honestidade, esteja atraindo os olhares e atenção de muitas pessoas.

Captura de Tela 64 - Silvio Santos afirma que sua memória “se apaga lentamente”. Ele está proibido de voltar a gravar…
Livro: O sonho sequestrado

Esta carta trata-se de um prefácio do livro “Sonho Sequestrado”, de autoria de Marcondes Gadelha, que também trata sobre quando Silvio Santos, quase se candidatou à presidência da república em 1989, em cuja chapa eleitoral Gadelha era o vice. No texto que foi endereçado ao escritor, datada de 31 de julho de 2020, Silvio Santos demonstrou a saudade que tem dos momentos narrados na obra.

“Como muito de meus órgãos, incluindo o óbvio, que não funciona há muito tempo, minha memória a cada dia que passa vai se apagando vagarosamente. Este seu livro me lembra de acontecimentos que eu já tinha esquecido e me deixa emocionado a cada página que leio”.

O “homem do baú” também escreveu sobre sua tentativa em se envolver na carreira política no fim da década de 1980.
“Considero que estava qualificado para exercer a Presidência da República e tenho certeza de que a equipe que escolheria, no mínimo, melhoraria as condições das pessoas mais necessitadas neste país. ”

“Parte do povo mais humilde do Brasil, infelizmente, ainda vive debaixo de pontes, em casebres de papelão ou de madeira, onde, muitas vezes, só tem um prato de feijão para comer e ainda precisa se preocupar com saúde e com os remédios que precisa tomar. Minha atuação seria voltada para esses temas que tanto afligem a nossa pobre população. Os demais problemas do nosso país seriam enfrentados também pelo presidente Silvio Santos, mas preservada sempre a prioridade dada à habitação e à saúde. ”

Silvio ainda demonstrou sua emoção ao ler o livro: “Você, com seu talento de escritor e generosidade de amigo, me deixou por diversos momentos com lágrimas de saudade e emoção ao trazer de volta aqueles compromissos. ”

Por fim, o apresentador levantou várias hipóteses de como seria sua vida caso tivesse, de fato, ingressado na carreira política. Projetou também algumas possíveis consequências se, realmente, fosse um político.

“Hoje, com 90 anos, me pergunto se teria sido bom para mim, para a minha família, para a minha televisão e para as pessoas que gostam de mim ter colocado a faixa verde e amarela que estampa a capa do livro. Sei, porém, que teria sido bom para a causa. E isso me basta. O desafio, então, estava aceito em qualquer circunstância. ”

A carta que foi escrita pelo próprio apresentador foi divulgada há poucos dias pelos seus familiares.

Com informações: Famosidades

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS