Por:  Valeria Sabater

A mente é uma fábrica de pensamentos. Nunca para e o que produz pode poluir o nosso humor e até a nossa saúde. Agora podemos controlar de alguma forma? Nós o analisamos.

Por que é tão difícil controlar o que pensamos?

“Faça o que fizer, não pense em um gato azul . ” Por que é tão difícil controlar o que pensamos? 99% de nós fazemos isso, visualizamos quase instantaneamente aquele gato azul, o elefante rosa, o urso polar e cada ovelha que contamos para superar a insônia. Porque a mente é assim, uma fábrica incessante de pensamentos e imagens, de memórias, de ideias obsessivas e até irracionais.

Isso nunca cessa. Nunca fecha nos feriados e raramente é permitida uma pausa, mesmo por motivos de saúde. Assim, quem quiser parar de fumar , por exemplo, terá dificuldade em tirar a imagem do maço de fumo, da vontade incessante de acender um cigarro. Também é difícil para quem acaba de ser abandonado pelo parceiro e se esforça a todo custo para apagar do cérebro tantas lembranças vividas.

capa oficial - Por que é tão difícil controlar o que pensamos?

Adoraríamos ser capazes de interromper esse fluxo de pensamentos como alguém fechando o interruptor de luz . No entanto, se pudéssemos alcançar tal engenharia mental, não seríamos mais humanos; seríamos máquinas. Porque tudo no universo mental tem um fim e um propósito. Compreender seus mecanismos é o que sem dúvida nos dá uma sabedoria autêntica.

Nós o analisamos.

outdoors 3276101 1280 scaled - Por que é tão difícil controlar o que pensamos?
Foto: Pixabay

Por que é tão difícil controlar o que pensamos

Algo que sabemos no campo da psicologia é que controlar nossos pensamentos é a chave para reduzir o desconforto . Estados de ansiedade e depressão , por exemplo, alimentam na maioria dos casos um estado mental erosivo. No entanto, um fato deve ficar claro: não é fácil dominar o que pensamos.

Não é suficiente dizer a alguém que “comece a pensar positivamente agora” para que as coisas funcionem. Além disso , algo que um estudo da University of South Wales revela é que, às vezes, mesmo quando acreditamos que dominamos nossa abordagem mental, ainda existem “lacunas”. É como se estivéssemos tentando submergir um navio nas profundezas e logo surgissem os restos da proa, dos mastros ou da quilha.

Agora, por que isso acontece? Por que é tão difícil controlar o que pensamos?

Nossos pensamentos têm raízes profundas

Os pensamentos não são apenas energia ou o resultado de uma conexão elétrica entre nossos neurônios . Cada pensamento na verdade parte de uma estrutura profunda, como resultado de nossa personalidade, experiências, educação, atitudes, etc. Da mesma forma, há outro fato: cada pessoa carrega um padrão de pensamento específico quase desde a infância.

Alguns estão acostumados a usar uma mentalidade mais aberta, otimista e reflexiva . Outros, por outro lado, geralmente são definidos por olhar o mundo com desamparo ou desconfiança desde a infância. Portanto, não é fácil dominar o que pensamos, porque temos “pensado da mesma maneira” há muitos anos.

Atrás de cada pensamento existe uma emoção

Se nos perguntamos por que é tão difícil controlar o que pensamos, há um aspecto que talvez estejamos esquecendo. Atrás de cada pensamento, existe um estado emocional. Não podemos dizer a nós mesmos que “vou parar de pensar que tudo vai dar errado” , se de fato meu ânimo está no chão.

Cada emoção descuidada persiste e altera nosso pensamento . Se colocarmos de lado nossas dores emocionais , decepções, medos, ressentimentos ou desespero, não adianta cuidar ou atender às ideias que passam pela mente.

O efeito rebote do Dr. Wegner

Daniel Wegner era um psicólogo social da Universidade de Harvard que queria se aprofundar na questão de por que é tão difícil controlar o que pensamos. Ele descobriu que em muitos casos o que é produzido é um efeito rebote. Em outras palavras, basta querer submergir ou bloquear uma ideia para que ela “faça uma força maior” que se oponha aos nossos desejos.

O que alguém anseia por esconder no mundo do inconsciente , isso leva de volta à mente consciente. Assim, e além do curioso ou anedótico, existe um fato de grande importância que é a chave para o sucesso terapêutico. O primeiro passo para controlar o que pensamos é aceitar tudo o que acontece em nossa mente.

Os pensamentos obsessivos , negativos ou irracionais devem ser aceitos e não silenciá-los . O adequado é dar-lhe uma presença e não escondê-la. Só assim iremos compreendê-los, saber do que são feitos e gerir as emoções que os acompanham.

Por que é tão difícil controlar o que pensamos? Porque somos nossos piores juízes

Eu sei que devo começar a ver as coisas de forma diferente. Eu sei que deveria ter uma abordagem mais positiva, esperançosa e não tão rígida. Mas é impossível para mim e não conseguir isso me frustra e me irrita porque é claro que não consigo lidar com nada, que tudo me ultrapassa, que sou um desastre absoluto … ”

As pessoas são nossos piores juízes e frequentemente alimentamos um diálogo interno que é tão negativo quanto invalidador. Ao nos julgarmos, reforçamos ainda mais a presença desses pensamentos e, com esse mecanismo, aumentamos a ansiedade .

girl 1280690 1280 scaled - Por que é tão difícil controlar o que pensamos?
Foto: Pixabay

Como começar a controlar nossos pensamentos?

Por que é tão difícil controlar o que pensamos? Em primeiro lugar, porque ninguém nos ensinou como funcionam a mente, o cérebro e as emoções . Além disso, se há algo que aprendemos desde muito cedo, é reprimir o que dói, criticar-nos quando não conseguimos controlar essas ideias, ficar com raiva de nós próprios quando as penas não são eliminadas ou as preocupações diminuem.

Se quisermos ter um melhor domínio de nosso fluxo mental, devemos visualizar uma tela de cinema. O primeiro passo para exercer controle sobre o que acontece em nosso universo mental é ver cada pensamento de longe, como se eles estivessem em uma tela.

Faremos isso sem nos julgar, sem nos criticar. Devemos aceitar e dar presença a todo pensamento irracional a toda obsessão, medo ou preocupação.

  • Não podemos parar os pensamentos, mas podemos observá-los.
  • Ao observá-los, permitimo-nos perceber de onde vêm, o que os motiva e o que os reforça.
  • Ao entendê-los, podemos controlá-los.
  • Um pensamento não pode ser escondido ou reprimido, mas podemos substituí-lo (por exemplo, posso mudar “Não vou conseguir fazer isso” para “Vou tentar ver o que acontece”).

Para concluir, como se costuma dizer, só existe uma maneira de derrotar monstros e é aceitando sua presença. É verdade que assustam, que se incomodam e que parecem ter um poder incomum. No entanto, os pensamentos, como os piores inimigos, podem ser controlados com serenidade e inteligência. Aceitar que eles existem é o primeiro passo para o bem-estar.

 

Traduzido e adaptado de: Lamenteesmaravillosa

 

OUTRAS LEITURAS






Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.