Milhares de nigerianos fugiram do país africano para ter uma vida melhor no país vizinho. Chegaram à região árida de Minawao, mas graças a um programa conseguiram transformá-la em um paraíso.

Há alguns anos, desde 2014 , a violência na Nigéria aumentou consideravelmente, atingindo níveis extremos e milhares de pessoas fugiram para Camarões, um país vizinho no continente africano .

Na esperança de começar uma nova vida longe do perigo, os refugiados nigerianos montaram acampamento na área deserta da cidade de Minawao, onde não há grama ou plantas. Além disso, há pouca chance de chuva nessa área.

Embora isso seja coisa do passado porque atualmente parece muito diferente desde então , e agora tem vegetação, árvores e acima de tudo vida. Tudo graças a eles refugiados que trabalharam em conjunto com um programa realizado pela Federação Luterana Mundial (FLM) e pelo Alto Comissariado da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR , por sua sigla em inglês) .

Era assim que parecia quando eles chegaram:

Captura de Tela 900 - Os refugiados aproveitaram seu tempo e transformaram um deserto em uma bela floresta.
Foto: ACNUR

A ideia surgiu em 2018 com o objetivo de reverter o desmatamento , conforme indica o site do ACNUR . Os refugiados aprenderam a usar a “tecnologia do casulo” , que consiste em enterrar uma caixa d’água de papelão reciclado, que envolve as raízes da planta . Uma corda é conectada ao broto, que é responsável por alimentá-lo, conforme explicado no mesmo meio .

“Desde o início do projeto, 360 mil mudas foram cultivadas no viveiro e plantadas em mais de 100 hectares”, disse Abdul Aziz, coordenador do projeto na matéria .
Os resultados têm sido excelentes e o acampamento está muito mais bonito, além de ser mais adequado para morar. “Antes, na época da seca, o sol era tão intenso que queimava tudo”, comentou na mesma ocasião Zara Maina, do ACNUR .

Captura de Tela 901 - Os refugiados aproveitaram seu tempo e transformaram um deserto em uma bela floresta.
Foto: ACNUR

Eles ainda estão em andamento para finalizar outros aspectos, como recursos para cozinhar e empacotar . Para isso, as duas organizações estão optando pela energia verde , por exemplo, podem converter lixo doméstico em carvão para uso em fogões.
Isso reduz consideravelmente a opção de cortar lenha e perder árvores, o que é muito importante para todos. “As árvores nos dão muito. Primeiro, elas fornecem a sombra necessária para o cultivo de alimentos. As folhas e galhos mortos podem ser transformados em fertilizantes para o cultivo. Finalmente, a floresta atrai e retém água. As chuvas ainda aumentaram ”, disse Lydia , uma menina que trabalha no abrigo , no comunicado .

Captura de Tela 902 - Os refugiados aproveitaram seu tempo e transformaram um deserto em uma bela floresta.
Foto: ACNUR

O esforço valeu a pena.

Tradução e adaptação: UPSOCL

 

OUTRAS LEITURAS






Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.