Elas são  Luna e Ema, filhas de Kayla Ibarra, que hoje é ativista por crianças prematuras. “Queremos que o mundo saiba que eles podem sobreviver e prosperar”, disse ela.

A gravidez é uma fase em que são necessários os maiores cuidados para que se desenvolva normalmente e seja saudável para a mãe e para o bebé. Isso também é levado em consideração no pronto-socorro no momento do parto.

No entanto, há momentos em que, infelizmente, as coisas podem dar errado, seja por motivos diferentes. Lá, é necessário um alto nível de conhecimento por parte da equipe médica, para que a vida do bebê e da mãe não sejam colocadas em risco.

Captura de Tela 956 - Os médicos estimaram que as gêmeas não sobreviveriam e agora estão com 3 anos
Foto: Kayla Ibarra

E a história de Kayla Ibarra, que foi publicada na Love What Matters , tem muito a ver com isso. Essa mulher, depois de ter seu primeiro filho com seu marido, Noah, tentou ter o segundo filho, algo que sempre quiseram.

Captura de Tela 957 - Os médicos estimaram que as gêmeas não sobreviveriam e agora estão com 3 anos
Foto: Kayla Ibarra

Foi assim que ela engravidou muito rapidamente, mas, surpreendentemente, quando compareceram a uma das ultrassonografias, o médico disse-lhes que não era um bebê, mas dois. “ Liguei para o meu marido que estava na sala de espera. Ele ficou animado em saber que teríamos gêmeos “, explicou.

Captura de Tela 958 - Os médicos estimaram que as gêmeas não sobreviveriam e agora estão com 3 anos
Foto: Kayla Ibarra

A gravidez prosseguiu normalmente, mas foi depois de alguns meses que os problemas começaram, pois ela começou a sentir contrações cedo demais. No início o atendimento era muito lento deste o hospital que ela frequentava, por isso demorou muito para entrar em trabalho de parto.

Eles tiveram que levá-la para o pronto-socorro, onde ela quebrou a bolsa. As contrações eram muito fortes, tanto que os médicos disseram a ela que sua gravidez não estava indo bem, porque suas filhas nasceriam prematuramente. “Em meio às lágrimas, perguntei-lhes: ‘O que vai acontecer com minhas filhas?’ e eles disseram: ‘Os bebês nascerão hoje e morrerão ‘ ”, disse ela.

Captura de Tela 959 - Os médicos estimaram que as gêmeas não sobreviveriam e agora estão com 3 anos
Foto: Kayla Ibarra

Sua família descobriu e todos começaram a se desesperar com o futuro das gêmeas. Assim, ela entrou em trabalho de parto, embora os bebês tivessem que nascer mortos. Mas Kayla sentiu que o que vivia naquele quarto era negligência médica, então ela decidiu ir para outro hospital, a UTIN , em Londres, Inglaterra.

Lá ela deu à luz os gêmeos e, graças ao trabalho dos médicos, eles conseguiram salvar suas vidas. “ Eles estavam vivos, estavam estáveis (…) Precisavam fazer muitos exames de pneumonia e coisas assim ”, explica a mulher.

Captura de Tela 960 - Os médicos estimaram que as gêmeas não sobreviveriam e agora estão com 3 anos
Foto: Kayla Ibarra

Finalmente Kayla foi ajudada por uma equipe médica que conseguiu estabilizar suas filhas. “Minha vida mudou para sempre. Estava danificada, mas quando olhei, percebi que valia a pena tudo o que passei ”, disse a mulher.

Luna e Ema são duas meninas que nasceram prematuras e conseguiram sobreviver, apesar do perigo que passaram. “ Queremos que o mundo saiba que eles podem sobreviver e prosperar . Agora somos embaixadores do hospital que salvou meus gêmeos “, encerrou.

Tradução e adaptação: UPSOCL

OUTRAS LEITURAS






Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.