Por: Sánchez Cuevas

A vida nos força a escolher e tomar decisões continuamente, mas às vezes o medo de cometer erros nos impede. O que fazer quando temos tanto medo do erro?

O medo de estar errado, o inimigo das decisões

Passamos o dia tomando decisões quase sem perceber: desde o que comer até como se vestir ou o que fazer à tarde. A verdade é que nem todas as decisões são igualmente relevantes. Há muitos em que não se pode voltar atrás e que, além disso, dão uma volta 360º na nossa vida; portanto, o medo de estar errado é o medo mais frequente do risco de tomar uma decisão.

Será a melhor opção? Quais serão as consequências? Posso retificar se não me sentir confortável? ou como isso vai me afetar? são apenas algumas das questões que vagueiam em nossas mentes quando temos que tomar uma decisão importante. Milhares de dúvidas que nos mergulham num misto de inquietação, incerteza , angústia e responsabilidade e que às vezes nos paralisam e induzem a viver passivamente.

O medo de errar é uma realidade que afeta uns mais do que outros , mas não deve passar despercebido. Vamos ver abaixo o que é, como nos afeta e o que podemos fazer quando aparecer.

“O maior erro que você pode cometer na vida é temer continuamente que cometerá um.”

-Elbert Hubbard-

girl 3932162 960 720 - O medo de estar errado, o inimigo das decisões
Foto: Pixabay

E se, ao decidir, eu estiver errado?

Uma das perguntas mais comuns quando temos que decidir sobre algo é “e se eu estiver errado?” Não importa se fazemos parte da equipe de gestão de uma grande empresa e temos que decidir como reestruturar a equipe, se somos médicos e temos que escolher um tratamento para um paciente ou se nosso filho tem um problema sério e temos que decidir como agir.

Porque o que torna o medo de estar errado um verdadeiro pesadelo não é tanto a situação em si, mas como a percebemos quando temos que decidir, ou seja, como vemos e vivenciamos o que está acontecendo conosco. Algo que, na realidade, depende das nossas características pessoais e das capacidades que adquirimos ao longo dos anos.

Assim, se nos sentirmos incapazes e inválidos, será muito mais fácil que a ansiedade, a angústia e o estresse apareçam em suas formas mais intensas até que se tornem paralisados. Ao contrário, se pensarmos que essa decisão é difícil, mas que podemos cumpri-la, ela pode ou não aparecer nas suas formas mais brandas, o que vai acontecer é que não deixaremos o tempo passar tanto entre dúvidas e questionamentos.

Diante de uma decisão importante, é fundamental analisar como percebemos o fato de tomar essa decisão e se nos vemos capazes.

Tipos de medo de estar errado

Assim, o medo de errar pode se apresentar de três maneiras, dependendo da percepção da situação e de sua intenção, segundo o psicoterapeuta Giorgio Nardone , um dos maiores especialistas em ansiedade e pânico. São as seguintes:

Leve : a pessoa manifesta constante indecisão e grande ansiedade antes de decidir e enquanto aparecem os resultados de sua decisão, então ela buscará apoio e terá tempo para tomar a decisão.
Média : a indecisão é tal que afeta a eficiência pessoal e profissional, sendo os tempos de ação mais longos e pode levar à incapacidade de não decidir. Além disso, é comum que as responsabilidades sejam delegadas a outras pessoas e a ansiedade seja constante.
Grave: o processo de tomada de decisão é bloqueado e a pessoa tenta por todos os meios não decidir. É muito provável que ocorram ataques de pânico e episódios de depressão, uma vez que a pessoa é percebida como incapaz de assumir tal responsabilidade, além de inválida.

O medo de estar errado e a baixa tolerância ao erro

Decidir implica correr riscos e, portanto, cometer erros, então por que tanto medo de se confundir? Afinal, é uma consequência lógica. O que acontece é que errar, além de não ser “bem visto” socialmente, também está associado ao fracasso. E o ser humano é um grande inimigo do fracasso, pois uma das principais consequências emocionais derivadas do erro é a insatisfação pessoal.

Não toleramos o erro, mesmo que faça parte do nosso aprendizado e da nossa evolução. Além disso, preferimos fazer tudo à primeira, com perfeição e sem objecções, sem ter em conta que cada um de nós chegou até aqui graças ao facto de muitas vezes errarmos e de, como resultado dessas experiências, ter aprendido várias lições.

Ou realmente pensamos que há pessoas que fazem tudo perfeitamente, que nunca se confundiram ou cometeram erros? Mesmo os mais pequenos fazem isso e constantemente. O que acontece é que não gostamos de admitir porque na nossa cabeça o erro está diretamente associado ao fracasso e isso a uma forma negativa de nos avaliarmos.

Em outras palavras, não há nada mais natural do que errar. O importante é o que fazemos com esse erro, para que serve e como o administramos.

“O único erro real é aquele com o qual não aprendemos nada.”

-John Powell-

Além do medo de decidir: como agir?

Agora que já sabemos que o medo de errar é uma questão que depende de cada um de nós, que existem diferentes variantes e que errar é mais comum do que pensávamos, a questão é como agir?

choose the right direction 1536336 960 720 - O medo de estar errado, o inimigo das decisões
Foto: Pixabay

O que significa saber decidir?

Em primeiro lugar, significa ter em mente que uma boa decisão implica administrar a tríade psicológica fundamental: cognição, ações e emoção. Algo que muitas vezes esquecemos, pois a maioria das pessoas pensa que uma boa decisão envolve um bom raciocínio. A questão é o que acontece se não soubermos como aplicá-lo? E se o medo ou qualquer outra emoção tomar conta de nós?

Portanto, levando em consideração o exposto e segundo Giorgio Nardone, o fator fundamental que determina que uma pessoa seja capaz de assumir a responsabilidade por uma decisão é a gestão do medo , pois isso pode condicionar o restante dos fatores. Ou o mesmo: não deixar que o medo de errar ganhe espaço e seja quem nos mande.

Gerenciar o medo de estar errado

Depois de sabermos que não apenas nossos pensamentos são importantes, mas também como reagimos e o que sentimos, o próximo passo é limitar o medo. Isso implica enfrentá-lo e não evitá-lo, porque se o fizermos as consequências serão muito piores no longo prazo e para isso nada melhor do que aceitar a inexorabilidade do medo e percebê-lo como um recurso.

  • Uma boa estratégia é descobrir para que serve esse medo, que função ele tem . Obviamente, nos protegemos, mas de quê? De fracasso?
  • O próximo passo é nos perguntarmos sobre os possíveis custos de tomar essa decisão. Que expectativas temos? Quais serão as consequências? Como eles nos afetarão? Estamos dispostos a correr riscos?
  • Também é conveniente considerar mais de uma possibilidade como etapa preliminar e, dentre elas, escolher aquela que consideramos melhor.
  • No momento em que já selecionamos uma decisão, é conveniente refletir sobre como a vamos levar a cabo – para não deixar tudo à deriva – e levar em consideração um percentual de incerteza e incontrolabilidade ou fator de surpresa. Obviamente, nem tudo sairá conforme o esperado.
  • No caso de ficarmos presos, pedir ajuda pode ser valorizado . Agora, isso não significa delegar responsabilidades a outras pessoas, mas sim consultar, pedir opinião, mas não procurar um possível culpado caso dê errado.
  • Um aspecto importante: não devemos dar um passo adiante antes de estarmos certos de que , aconteça o que acontecer, não afetará nosso valor pessoal global. Um erro não é uma medida de quem somos e quanto valemos, mas de nossa experiência.

Além disso, não podemos esquecer que é importante considerar o que fazer se estivermos errados, caso contrário , cair na armadilha da culpa – culpar e culpar a nós mesmos – será uma das opções mais prováveis. Então, se errarmos, que tal analisarmos as soluções (decisões) tentadas? Dessa forma, podemos aprender o que não está funcionando.

Em resumo, para nos livrarmos do medo de errar, devemos ser flexíveis com o erro, ver nosso próprio medo como um recurso e possuir as habilidades necessárias para cumprir o que decidimos.

“Uma pessoa que nunca cometeu um erro nunca tentou nada novo.”

-Albert Einstein-

Tratuzido e adaptado de: La mente es maravillosa

Crédito imagens: Pixabay

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS