Por: JCS

O projeto construído em um vilarejo de Bangladesh deu tão certo que além de fazer muita fama ganhou um prêmio.

Uma construção de impressionar os olhos levantada em Rudrapur, pequeno vilarejo ao norte de Bangladesh, Índia. Os idealizadores do projeto utilizaram as técnicas e os materiais locais para dar forma à construção que fizeram para suprir uma grande necessidade que os moradores locais tinham.

Conheça o Centro Anandaloy, o primeiro andar funciona o centro de atendimento às pessoas com deficiência. Conforme o Studio Anna Heringer, que foi responsável pelo projeto, lamentavelmente, as deficiências são vistas como uma espécie de “karma” pelos moradores de Blangladesh. Assim, as pessoas portadoras de deficiências não são incluídas na sociedade. “Elas não são facilmente vistas pelas ruas do país, ficam mais escondidas”, disse o escritório.

Conforme parecer dos arquitetos, este centro nasce devido a pouca importância que as pessoas dão àqueles que sofrem com as deficiências, assim, falta locais especializados para tratar deles, é muito raro ter um centro de acolhida no país e principalmente nas áreas rurais.

Inicialmente eles pensaram apenas em construir um centro de acolhida, contudo, ampliaram o projeto para colocar um pequeno atelier têxtil gerenciado por mulheres. Assim, elas podem trabalhar e comercializar em feiras locais, o que contribui para o desenvolvimento econômico e cultural da comunidade.

Uma construção onde todos participaram

Devido à grande necessidade e expectativa da construção, os arquitetos resolveram envolver a comunidade no processo de construção. Dessa maneira, colocaram a mão na massa os moradores, que são a maioria mulheres e alguns futuros pacientes do Centro.

A responsável pelo projeto foi a premiada arquiteta Anna Heringer, apesar dela e sua equipe serem alemães, a obra foi gerenciada por construtores de Bangladesh. Dessa maneira, foram feitas parcerias com empresas e trabalhadores locais, o resultado final foi fantástico.

Captura de Tela 122 - Mulheres indianas construíram um centro para pessoas com deficiência apenas com bambu e barro.
Fotos: Kurt Hoerbst e Stefano Mori
Captura de Tela 123 - Mulheres indianas construíram um centro para pessoas com deficiência apenas com bambu e barro.
Fotos: Kurt Hoerbst e Stefano Mori

Escolheram o bambu e estruturas de taipa, levando-se em conta os materiais disponíveis no local, criou-se então uma arquitetura sustentável e com grande identidade para os habitantes locais.

“A tradicional técnica local de construção em barro permite levantar paredes sem a necessidade de qualquer sistema de cofragem. Tal método possibilita construir paredes curvas com extrema facilidade. Por este motivo, contrapondo-se à maioria dos outros edifícios da região, o Centro Anandaloy é uma estrutura dinâmica, modelada pela maleabilidade do barro. Suas paredes parecem dançar enquanto a rampa serpenteia alegremente até o acesso do edifício. De modo simbólico, a estrutura parece nos dizer: que seja bem-vinda a nossa diversidade”, descreveu a equipe idealizadora.

Captura de Tela 124 - Mulheres indianas construíram um centro para pessoas com deficiência apenas com bambu e barro.
Fotos: Kurt Hoerbst e Stefano Mori

Como se vê nas imagens, além das paredes feitas de barro, utilizaram também o bambu no teto e na montagem de pilares. Já o telhado teve a adição de chapas de metal e muita palha.

Este projeto venceu o Prêmio OBEL 20209, que é uma premiação internacional que homenageia as contribuições arquitetônicas notáveis para o desenvolvimento humano em todo o mundo.

Com informações: CicloVivo

 

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS