Por: JCS

Vários motoboys de Campinas (SP) fizeram um protesto pacífico com um forte “buzinaço” na frente do condomínio em que mora o homem que violentamente agrediu com palavras ofensivas de racismo um motoboy entregador de APLICATIVO, o protesto aconteceu na manhã de sábado (08), Valinhos (SP).

Uma média de 100 motoboys entregadores de aplicativos se organizaram em um posto de combustíveis na Av. Francisco de Paula Souza, logo de manhã, e se dirigiram ao condomínio do ofensor, localizado no bairro Chácaras Silvania.

“Nós motoboys somos vistos como arruaceiros e baderneiros, mas não é essa nossa função. Estamos pra ajudar e servir a população, ainda mais neste tempo de pandemia. Queremos e estamos somente cumprindo nosso trabalho, nada mais”, disse um dos participantes do protesto, Tarcísio André Martins Júnior.

“Só porque ele mora em um condomínio fechado ele não é melhor que ninguém. Prova tá aí, na sabedoria do boy, em momento algum o agrediu verbalmente, não faltou com o respeito ao cliente. Isso tem que mudar, acabar”, disse lamentando profundamente o acontecido.

A manifestação, que começou às 8:30h durou 30 minutos, foi pacífica e não teve acompanhamento da Guarda Civil Municipal ou Polícia Militar.

“É um protesto totalmente pacífico, para estar mostrando para as pessoas ter respeito com o motoboy, ver que a gente não é o que todo mundo fala, o que todo mundo acha… O que a gente procura é a igualdade, é o respeito”, declarou o motoboy entregador Guilherme Volpe.

Entenda o caso.

Em vídeo largamente divulgado nas redes sociais, um homem alto e branco ofende um motoboy dizendo que ele tinha “inveja disso aqui”, apontando e se referindo à própria cor de sua pele, dando a entender que o motoboy tinha inveja da cor dele. (Confira o vídeo abaixo).

 

Após a agressão verbal o Jovem Motoboy foi à delegacia e registrou um boletim de ocorrência para registrar o teor da agressão e o crime estúpido de racismo. Este abuso aconteceu em 31 de julho, sendo que desde o dia 7 de julho as imagens se espalharam pelas redes sociais.

Durante a agressão verbal, a Guarda Civil Metropolitana foi solicitada e encaminhou todos para a delegacia de Valinhos.

A discussão foi vergonhosa, pois além das palavras de racismo, o homem chama o entregador de “semianalfabeto”, afirma que ele tem inveja da “vida” que os moradores levam no condomínio e debocha dele dizendo que o rapaz não tem onde morar e “nunca vai ter”. Um vizinho presenciou o caso e gravou as imagens.

O aplicativo de entregas de comidas IFOOD afirmou, em nota, que o usuário será excluído da plataforma de pedidos.

“Baseados nos termos de uso do aplicativo, o IFOOD descadastrou o usuário agressor da plataforma. A empresa está em contato para oferecer ao entregador apoio jurídico e psicológico” informou a empresa ao se referir repudia qualquer atitude de preconceito e discriminação.

Com informações: Metrópoles

Crédito Imagens: Arquivo Pessoal

 

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS