Antes é preciso cuidar do que está no seu interior, cuidar dos seus sentimentos, dos seus pensamentos, organizar o seu mundo interior, ver suas necessidades, colocar seus sentimentos, suas emoções em maior harmonia para depois ir ao encontro do que está fora de você.

Primeiro é importante compreender seus sentimentos mais profundos, é importante se nutrir com o que há de melhor, exercitar o autoamor, o autocuidado, o auto-respeito, para depois compreender os outros, amar os outros.

O maior movimento de melhorias, mudanças e transformações inicia dentro de cada um, pra depois se direcionar para o exterior.

Antes de qualquer coisa, se observe, sinta seu ser, veja do que realmente está precisando. Antes de querer atender as necessidades alheias, atenda as suas necessidades. Quando você está bem consegue enxergar melhor as necessidades dos outros para contribuir de fato.

Antes de qualquer coisa é importante se interiorizar, olhar para dentro, querer enxergar as suas reais necessidades, o que está faltando em você para conseguir ir ao encontro do que realmente importa. Se tem algo que precisa deixar par trás , se existem coisas que ainda precisa superar, emoções represadas, é fundamental fazer uma faxina interior, eliminar coisas que estão atrapalhando você a se desenvolver, evoluir ou crescer.

É importante deixar o passado, as desilusões, as frustrações para ir com mais alegria e motivação para frente ao encontro de novas conquistas.

Desta forma estará também mais apto a ir ao encontro dos outros e conseguir entender suas reais necessidades, enxergar o que você precisa de verdade, desta forma, conseguindo se ver melhor, terá maiores chances de observar os outros e o mundo de uma forma muito melhor.

Primeiro se observe para conseguir ver os outros e o mundo ao seu redor de uma forma mais ampla, mais real e verdadeira, sem tantas ilusões ou expectativas.

Por: Patricia Tavares.

 

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS