Por: JENNIFER DELGADO SUAREZ

A mudança é inerente à vida. Tudo está em movimento. Tudo se transforma. No entanto, às vezes ficamos presos em um dos estágios da mudança. Voltamos, vivemos as mesmas experiências e reproduzimos os mesmos conflitos, para que acabemos entrelaçados em um novelo de emoções negativas, como medo, raiva, culpa, angústia ou insegurança.

Outras vezes, desenvolvemos grande resistência à mudança . Nos apegamos ao passado, ao conhecido, e nos recusamos a seguir em frente e evoluir. Por que é tão difícil para nós mudar? O Modelo Transteórico de Mudança de Comportamento de James Prochaska explica isso.

Quando nossa concepção de mudança nos impede de avançar

Prochaska sugere que não avançamos devido à nossa percepção de mudança. Uma mudança de comportamento e atitude geralmente não é um evento único, como costumamos pensar, mas ocorre gradualmente ao longo do tempo.

Passamos por diferentes estágios de mudança pessoal antes de deixar para trás velhos hábitos e modos de pensar. Essa progressão geralmente não é linear. Nós tendemos a avançar e retroceder nas diferentes fases da mudança. Às vezes, passamos por elas várias vezes, até que essa mudança seja totalmente consolidada.

Conhecer os estágios da mudança pessoal nos permitirá identificar em que estágio estamos, para entender melhor nossa posição em relação ao progresso. Também nos ajudará a permanecer motivados e a estabelecer as metas certas para avançar para a próxima etapa.

Os 6 estágios de mudança pessoal em que todos passamos

1. Pré-contemplação

Na primeira etapa da mudança, as primeiras dúvidas nos assaltam. Começamos a suspeitar que há um problema, embora não saibamos muito bem o que é. De fato, podemos passar por uma fase de negação em que estamos cientes de que precisamos mudar alguma coisa, mas nos recusamos a reconhecer a verdadeira raiz do problema.

Também é possível que estejamos cientes da necessária mudança de comportamento, atitude ou modo de pensar, mas que ainda não estamos prontos ou preparados para realizá-la. É uma fase em que não há plena consciência dos problemas.

É provável que não estejamos totalmente cientes das consequências de nossos comportamentos ou que não tenhamos informações suficientes. Portanto, para avançar para o próximo estágio, devemos buscar uma motivação para a mudança, analisar as vantagens que isso nos trará.

Podemos nos perguntar: eu já tentei mudar esse comportamento? O que teria que acontecer para considerar um comportamento problemático? Se eu continuar nesse caminho, é provável que isso aconteça? O que vou ganhar com a mudança?

2. Contemplação

Nesta fase de mudança pessoal, desenvolvemos uma maior compreensão e consciência do comportamento, atitude ou modo de pensar que queremos mudar. Reconhecemos o problema e começamos a procurar soluções.

Essa pode ser uma fase de mudança particularmente difícil e frustrante, pois é acompanhada por um alto grau de incerteza. De fato, podemos passar muito tempo nesse estágio porque desenvolvemos uma postura ambivalente: embora estejamos cientes dos benefícios da mudança, também vemos as demissões e os custos que elas implicam.

Outras vezes, não temos as ferramentas psicológicas necessárias para enfrentar a mudança. Não estamos preparados para nos comprometer com essa transformação. Então, podemos ficar presos nessa fase, nos sentindo impotentes.

Para avançar, podemos realizar uma análise racional dos prós e contras da mudança, sabendo que, para avançar na vida, você sempre precisa perder peso. Devemos nos perguntar quais os benefícios que a mudança nos trará e, se os custos forem altos demais, tente encontrar maneiras alternativas que minimizem esses sacrifícios.

3. Preparação

Quando entramos na fase de preparação, estamos prontos para nos comprometer com a mudança e pretendemos mudar no futuro imediato. Começamos a dar pequenos passos em direção a essa transformação, como começar a nos informar sobre o que podemos fazer ou procurar ajuda profissional.

Esse estágio de mudança é decisivo para o progresso. Se explorarmos nossas opções, planejar e tomar decisões informadas, é mais provável que avancemos com mais facilidade e consigamos implementar essa mudança.

Nesta fase, é importante que nos projetemos no futuro e imaginemos os obstáculos que possam surgir, para considerar planos de ação alternativos que nos permitam continuar avançando. Também é essencial que estabeleçamos metas realistas que possamos atingir, para que o desânimo não ocorra. Se compartilharmos nossas metas com outras pessoas, especialmente com uma certa autoridade ou status, teremos mais chances de conseguir mudanças, conforme verificado por um estudo realizado na Ohio State University.

4. Ação

Nesta fase de mudança pessoal, agimos. Começamos a implementar nossos planos para alcançar a mudança desejada. Ajustamos nossas rotinas, relacionamentos ou ambientes para atingir nossos objetivos.

Nesse estágio de mudança, é necessário que o maior compromisso e a vontade de ferro sejam sistemáticos. Normalmente, entramos nessa fase com muita motivação, mas à medida que os dias passam, ela diminui.

Também começaremos a experimentar os primeiros obstáculos. Pode ser que as pessoas nos dêem um feedback negativo ou que o ambiente em que nos movemos não nos incentive a mudar, mas nos mantenha ligados ao que queremos deixar para trás.

Para avançar para o próximo estágio de mudança pessoal, precisamos lembrar as razões que nos levaram até aqui. Precisamos focar nos benefícios da mudança e tentar nos recompensar ao longo do caminho.

5. Manutenção

Nesta fase de mudança, percebemos que podemos fazer essa mudança. Os comportamentos iniciais começam a se tornar hábitos, portanto, voltar às rotinas antigas é mais difícil.

É nesse estágio que trabalhamos para consolidar as mudanças no longo prazo, porque ainda existe a possibilidade de recaída nos comportamentos antigos e de retorno aos estágios anteriores. Portanto, é importante não baixar a guarda.

Vale lembrar os obstáculos que vencemos, pois isso nos dará força e nos fará sentir mais empoderados. Também podemos refletir sobre os erros que cometemos para evitá-los na próxima vez. E podemos nos perguntar como continuar melhorando.

6. Recaída

Recaídas são como um fantasma que está sempre pairando em torno da mudança. De fato, eles são bastante comuns. Quando voltamos, podemos sentir um fracasso, decepção e frustração, porque sentimos que todo o esforço foi em vão. Embora não seja assim.

Toda a jornada nos fortaleceu e se tornou uma fonte de experiência. Devemos evitar nos culpar excessivamente, pois acabaremos nos odiando. Punir-nos é inútil.

Em vez disso, devemos estabelecer um mecanismo de reflexão consciente para detectar erros e tentar corrigi-los para não tropeçar na mesma pedra duas vezes. Precisamos nos perguntar o que causou a recaída e o que podemos fazer a partir desse momento para evitar esses gatilhos no futuro.

De qualquer forma, devemos lembrar que as mudanças geralmente não ocorrem linearmente. Velhos hábitos esperam um deslize para renascer. Isso faz parte do caminho do crescimento. Se em algum momento nos encontramos flutuando entre os estágios, podemos tomá-lo como um sinal para parar no caminho, fazer um exercício de introspecção e aprender mais sobre nós mesmos.

Traduzido e adaptado de: RinconPsicologia

Fontes:

Prochaska, J.; DiClemente, C. & Norcross, J. (1992) Em busca de como as pessoas mudam. Psicólogo americano ; 47 (9): 1102-1114.

Klein, HJ et. Al. (2020) Quando as metas são conhecidas: Os efeitos do status relativo da audiência no comprometimento e desempenho da meta. Jornal de Psicologia Aplicada ; 105 (4): 372-389.

 

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS