Com materiais de um aterro, Érika, junto com sua mãe e irmã mais velha, construiu essa infraestrutura em uma ocupação irregular, onde leva conhecimento e esperança para outros alunos com poucos recursos.

Próximo a uma ocupação irregular no município de Coelho Neto, interior do Maranhão, no Brasil , uma menina de 12 anos mora com sua família, que sustenta o dia a dia do aterro sanitário que fica próximo à sua humilde residência . Lá, sua mãe, Doña Dorizete, e o genro desta obtêm sua renda com o ferro e as latas que coletam para vender. Ao mesmo tempo, essa garotinha chamada Érika passa as tardes ensinando crianças menores que ela, em uma cabana de barro que improvisou como escola.

1 5 - Érika com apenas 12 anos constrói a "Escola da esperança"
Neyara Pinheiro / Youtube

Foi com diversos materiais extraídos do aterro sanitário vizinho, que com a ajuda da mãe e da irmã mais velha, Eva, que Érika conseguiu construir o que seria seu espaço de ensino e aprendizagem em meio a um terreno baldio e cercado de lixo. Estabelecimento de ensino improvisado e informal que tem como nome “Escola da Esperança” e o lema “A esperança é a última que morre e todas as crianças têm direito aos estudos. Crianças de todas as idades vêm aqui para aprender com este jovem professor.

2 7 - Érika com apenas 12 anos constrói a "Escola da esperança"
fsaf

Na sala de aula, Érika é mais uma professora experiente, usando o quadro-negro como se exercesse sua profissão há vários anos. Uma menina consciente das injustiças, desigualdades e pobreza que existem no mundo, criando assim sua escola.

3 4 - Érika com apenas 12 anos constrói a "Escola da esperança"
Neyara Pinheiro / Youtube

Porém, fora disso ela é mais uma pequenina do bando, que se diverte pegando um livro para ler e chamando outras crianças para sair e brincar ou simplesmente improvisar com o que gostam por muito tempo. Todos sem esquecer as injustiças que quer corrigir , das quais sonha em ser advogada.

“Muitas pessoas estão muito magoadas. Aí eles dizem, ‘não podemos nem correr atrás deles, porque a corda sempre quebra do lado mais fraco.’ Eu quero que as pessoas não pensem mais assim. Mas deixe-os saber que um dia eles terão uma pessoa para defendê-los. “

– disse Erika para Neyara Pinheiro –

4 3 scaled - Érika com apenas 12 anos constrói a "Escola da esperança"
Neyara Pinheiro / Youtube

Enquanto isso, Érika continuará em sua humilde cabana dando aulas para as crianças menores do setor, para que não percam os estudos. Ao mesmo tempo que também mora em uma casa de taipa, como muitas na zona de ocupação, que com seus poucos móveis, eletrodomésticos e goteiras quando chove, não impede que esta menina sonhe com um futuro melhor para ela e para todos. amigos.

Tradução e adaptação de: UPSOCL

OUTRAS LEITURAS



Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS