Por: JCS

É muito triste afirmar que há quem ache completamente normal o abandono de animais. Sem uma casa para os proteger e alguém que cuide de seu Bem-Estar, os animaizinhos ficam completamente jogados à fome, ao frio cruel e aos vários maus-tratos.

Esses amáveis filhotinhos vieram de uma dura vivência de abandono, mas, o caminho deles cruzou com pessoas do bem, tiveram a grande sorte de encontrar um lar com disposição para os acolher. Enquanto vagavam pelas ruas, um grupo de monges budistas da China decidiu resgatá-los e os levaram para seu templo.

1 - Cãezinhos continuam abraçados o tempo todo mesmo após serem resgatados
Foto: Reprodução

A experiência deles nas ruas, contudo, talvez tenha deixado marcas profundas neles. Após serem resgatados, os pequenos irmãos realmente não se desgrudam. O laço de amizade entre eles é muito forte ao ponto de passarem abraçados quase o tempo todo. Ao ver a imagem, pode-se concluir que um ainda protege o outro, lhe dando segurança, diante de um perigo que talvez possa acontecer.

2 - Cãezinhos continuam abraçados o tempo todo mesmo após serem resgatados
Foto: Reprodução

As imagens dos filhotes viralizaram nas redes sociais comovendo a muitos. A grande maioria dos internautas tece comentários formulando várias hipóteses para tentar justificar o comportamento dos cãezinhos.

3 - Cãezinhos continuam abraçados o tempo todo mesmo após serem resgatados
Foto: Reprodução

“Os cães estão em um templo agora, então eles se sentam assim para imitar o modo como os monges fazem para meditar”, comentou um internauta nas Redes Sociais.

4 - Cãezinhos continuam abraçados o tempo todo mesmo após serem resgatados
Foto: Reprodução

O que podemos dizer é que, qualquer que seja o motivo deles permanecerem unidos e abraçados, eles merecem muito serem felizes e assim receber todo amor e carinho por parte de seus novos cuidadores.

Com informações: Histórias com Valor

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS