Daniel Vitorio Baia Vieira pode ter apenas 17 anos, mas já percebeu que o bem-estar da sua casa também passa pelas suas mãos. A mãe prepara os pães em casa e ele sai para vender na rua.

Se existe um produto alimentar que desperta em todos nós certas memórias ancestrais de nos unirmos perante o fogo, partilhando com a família ou com os amigos, esse é, sem dúvida, o pão. Principalmente se falamos de pão caseiro, preparado por um dos nossos familiares, é um símbolo de pertencer a um grupo que estaria sempre presente para nós.

Por isso, quando se trata de sair para vender um produto na rua, não podemos errar com o pão caseiro.

bread 2193537 1280 scaled - Adolescente usa um carrinho de mão para vender pão caseiro. Contribui para as despesas de sua casa!
Foto: Pixabay

Era o que pensava a família de Daniel Vitório Baia Vieira, menino de 17 anos de Cachoeiro de Itapemirim, no Brasil. Devido às necessidades que surgiram em sua família após o ataque do coronavírus vai deixá-los em um lugar de vulnerabilidade ainda maior do que estavam antes, Daniel decidiu que faria sua parte para ajudar em casa.

A sua forma de o fazer era participando no processo de produção e comercialização do pão caseiro da sua mãe.

bread 1761197 1280 scaled - Adolescente usa um carrinho de mão para vender pão caseiro. Contribui para as despesas de sua casa!
Foto: Pixabay

Depois que a dona de casa reúne os ingredientes, mistura-os e dá origem àquela mistura requintada de farinha, água e qualquer outro ingrediente que tanto gostamos, Daniel os joga em uma cesta e cobre com um gênero. Em seguida, ele os monta em um carrinho de mão que normalmente usaria para trabalhar no jardim e sai pelas ruas de sua cidade para oferecer as deliciosas mercadorias.

O esforço do menino não passou despercebido por nenhuma das pessoas que moram na mesma cidade que ele.

Captura de Tela 247 - Adolescente usa um carrinho de mão para vender pão caseiro. Contribui para as despesas de sua casa!
Foto: TV GAZETA SUL

A ideia partiu de uma empregada de sua mãe, Marilza Baia Vieira, que ofereceu a Daniel como aposta, acreditando que o adolescente não reagiria nem aceitaria o peso da oferta:

“Brinquei com ele, disse-lhe que sábado e domingo não teria padaria nem supermercado aberto. Sugeri que ele vendesse pão. Ele olhou para mim, meus olhos brilharam, ele me disse para vendê-lo. Se Deus quiser, podemos realizar esses sonhos. Não sabemos se será agora ou no futuro ”

–Marilza Baia Vieira para A Gazeta –

 

Captura de Tela 248 - Adolescente usa um carrinho de mão para vender pão caseiro. Contribui para as despesas de sua casa!
Foto: TV Gazeta Sul

O produto foi um sucesso desde o início. Daniel vendeu todos os pães no primeiro dia e nos dias seguintes teve um resultado semelhante. Ele até recebeu pedidos. Com os lucros extras, ele pretende comprar um novo forno, para preparar uma quantidade maior de pães.

Tudo inspirado por querer ajudar em casa.

 

Traduzido e adaptado de: UPSOCL

OUTRAS LEITURAS






Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.