Rebeca Andrade, de 22 anos, se preparava ainda criança no projeto de Iniciação ao Esporte, o que lhe permitiu ir às primeiras competições. Hoje ela entrou para a história ao ser a primeira brasileira a obter uma medalha nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 nessa modalidade.

Durante os Jogos Olímpicos cada um dos atletas tenta dar o seu melhor para representar bem o seu país e poder conquistar uma medalha. Mas o que pouca gente sabe é que, para chegar a Tóquio 2020 , os atletas tiveram que superar diversas dificuldades, a maioria delas econômicas.

Rebeca Andrade, de 22 anos, é uma ginasta cuja trajetória é muito diferente da que normalmente passam alguns atletas, que começam com treinadores particulares, em academias ou mesmo em suas escolas.

O caso de Rebeca parte daí, já que segundo a Globo , ela começou sua carreira em um projeto social em São Paulo, Brasil, chamado Iniciação ao Esporte , com o qual começou a se aprofundar na disciplina.

Nos primeiros anos destacou-se pelo talento , o que lhe valeu o apelido de ” Daianinha de Guarulhos “, em referência à ginasta Daiane dos Santos , que fez muito sucesso entre 2003 e 2006, conquistando diversos campeonatos mundiais na especialidade de solo.

Rebeca entrou para a história de seu país em Tóquio 2020, isso porque se tornou a primeira ginasta brasileira a obter a medalha de prata nos Jogos Olímpicos na categoria solo.

Viveu a infância treinando na academia de Guarulhos, em sua cidade, onde treinou durante os anos de 2005 e 2010. Rapidamente se destacou entre as demais companheiras. Segundo Mônica Barroso dos Anjos, que era sua treinadora, ela era ” rápida, explosiva, tinha um biótipo com muitos músculos, bem definido “.

Captura de Tela 399 - A ginasta que iniciou sua carreira em um projeto social ganhou a medalha de prata. Teve uma infância difícil
Instagram @rebecarandrade

A mãe de Rebeca, Rosa Rodrigues, explicou que como família enfrentavam problemas financeiros, a ginasta ficou sem treinar por um tempo. Apesar disso, ela nunca parou sua paixão e continuou quando sua mãe conseguiu mais dinheiro.

Agora ela se tornou uma ginasta histórica em seu país, algo de que sua mãe tem muito orgulho. “ Estou feliz que ela esteja lá, chegando à final. Para nós, isso é motivo de orgulho. Agora, com mais oportunidades de pódio e ouro, a expectativa é enorme, estamos animados ”, disse.

 

Tradução e adaptação de: UPSOCL

OUTRAS LEITURAS



Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS