(Livro: Quem me roubou de mim)

De forma poética o padre Fábio de Melo retrata a experiência de retornar ao lar,
lança um olhar terno e amoroso sobre sua mãe… é de marejar os olhos, leia e aqueça seu coração.

RETORNO

“Somente depois de ter andado por terras estranhas
É que pude reconhecer a beleza de minha morada.
A ausência mensura o tamanho do local perdido
Evidencia o que antes estava oculto,
por força do costume.
Olhei minha mãe como se fosse a primeira vez.
Olhei como se eu voltasse a ser criança pequena
A descobrir-lhe as feições tão maternas.
Abri o portão principal como quem abria
Um cofre que resguardava valores incomensuráveis.

As vozes de todos os dias estavam reinauguradas. Deitei-me no colo de minha mãe como se quisesse Realizar a proeza de ser gerado de novo.
Suas mãos sobre os meus cabelos pareciam devolver-me A mim mesmo.
Mãos com poder de sutura existencial…
Era como se o gesto possuísse voz, capaz de me dizer: dorme meu filho, porque enquanto você dormir
Eu lhe farei de novo. Dorme meu filho, dorme…”


OUTRAS LEITURAS


Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS