Por: JCS

Lewis Hamilton aproveitou a calmaria da quarentena para refletir sobre a vida. Resolveu compartilhar com os seus seguidores dados de crescimento populacional mundial para comentar sobre o “caminho que os seres humanos estão seguindo”.

Ele mostrou uma imagem do céu antes e depois da quarentena, e o resultado final é um completamente vivo e despoluído, o piloto afirmou que “a humanidade perdeu o controle”. Ele disse ainda que torce para que esta pandemia sirva para nos tornar seres humanos melhores.

“É uma loucura ver o mundo parar e o céu ficar mais limpo. Quem sabe o porquê disso acontecer agora, mas há tanto o que refletir a respeito de nós. Em 1900, éramos menos de 2 bilhões e agora somos 7,7 bilhões e crescendo 140 milhões por ano. Todas essas estatísticas me surpreenderam, e a vocês? ”, postou em seu Instagram.

“Simplesmente perdemos o controle enquanto raça humana. O que é ainda mais chocante é que, neste tempo em que temos mais de 40 mil pessoas mortas por causa desse vírus, cerca de 57 milhões de pessoas morrem todos os anos de acordo com as estatísticas. Isso significa mais de 150 mil mortes por dia no mundo”, ponderou.

“Temos que mudar muito…. os nossos hábitos, as decisões que tomamos, o modo como consumimos, tudo. Como podemos mudar realmente enquanto raça humana quando estamos tão presos em nossos costumes? Torço para que essa pandemia nos ajude a mudar para melhor”, concluiu.

Ao fecharmos esta matéria, os Estados Unidos, são um dos países mais prejudicados com a pandemia, registrando 261.438 casos e 6699 mortes pelo coronavírus, a ordem é que todos fiquem em quarentena.

hamilton ceu - O campeão de F1 Hamilton disse que a humanidade perdeu o controle: “Temos que mudar muito”
Foto: instagram
hamilton mensagem - O campeão de F1 Hamilton disse que a humanidade perdeu o controle: “Temos que mudar muito”
Foto: Instagram

 

Com informações: Sportbuzz

OUTRAS LEITURAS



Sensível Mente
Revista de opinião e entretenimento, sobre temas relacionados ao equilíbrio entre mente corpo e espiritualidade.

COMENTÁRIOS